domingo, 25 de janeiro de 2009

Noções - Cecília Meireles




Entre mim e mim, há vastidões bastantes

para a navegação dos meus desejos afligidos.


Descem pela água minhas naves revestidas de espelhos.

Cada lâmina arrisca um olhar, e investiga o elemento que a atinge.

Mas, nesta aventura do sonho exposto à correnteza,

Virei-me sobre a minha própria existência, e contemplei-a.

Minha virtude era esta errância por mares contraditórios,

e este abandono para além da felicidade e da beleza.

Ó meu Deus, isto é a minha alma:

qualquer coisa que flutua sobre este corpo efêmero e precário,

como o vento largo do oceano sobre a areia passiva e inúmera...




Viagem(1939), in Cecília de bolso, uma antologia poética,L&PM Pocket


ooooooooooooooooooo

Com poemas, celebro meu tempo interior, numa busca incessante de complementação e significados, para o ato de viver.


Todo dia



Apurar a palavra e o afeto.
Vestir uma sem despir o outro.
Jogar o supérfluo fora.


Revisitar o essencial
sem mágoas antigas
nem saudades remotas
do que não foi feito
do que esquecemos de dizer.


Cuidar p'ra respirar,
prazerosamente, a vida.
Se possível, fazer companhia à solidão
instalada debaixo da nossa janela
diante da nossa cara
dentro
bem dentro do nosso coração!




Rio.02.04.91

Maysa



3 comentários:

.:.Isabel.:. disse...

Maysa!
Amei seu blogue!!!
Amei!!!

Assim que logar o meu, vou relacioná-la nos bons ventos!!

Beijos.

Ana P. disse...

"Fazer companhia à solidão instalada debaixo da nossa janela"


Que imagem linda! Sua casa está uma gracinha. Bem acolhedora. Estou adorando ...

Dinho disse...

Maysa! Lindo o seu blog, adorei!
Um grande beijo.
Ricardo.