quinta-feira, 31 de março de 2011

CONTOS HOMEOPÁTICOS (I) MAYSA MACHADO




Contos Homeopáticos (I)


O ciclotímico

Maysa Machado

Era domingo, a tarde se entregava prá noite. Sem suspiros passeava pelo quarto, ia e vinha, abria e fechava a porta do armário de roupas. O ar leve e perfumado entrava pela casa, entranhava na pele. Era primavera, o coração avisava.

Quase 2hs para escolher o vestido do encontro. Deu tempo, ele chegou atrasado. Cerimonioso, esquivo, poucas palavras, e olhando para o relógio, foi logo dizendo:

- Vim para avisar que não venho mais.

Breve silêncio, um enfadado suspiro:

- Estou casado.

A moça surpresa com a vida, e a má caretice do namorado pensou, depois cantarolou. O que é que ela tem que eu não tenho?

Ele riu sem brilho. Partiu.

Alguns meses mais insistia prá voltar. A moça, de mãos dadas com a vida, de novo cantarolou. Você não sabe amar meu bem, não sabe o que é o amor. Nunca sofreu, nunca viveu... Fechou a porta . Lá fora o outono esperava dourando folhas e corações apaixonados.

Santa Teresa 31.03.11

Com meu abraço carinhoso

Maysa


segunda-feira, 28 de março de 2011

FLOR DA CEREJA - FLORADA DO SAKURA




Ouço comovida que a temporada do sakura, flor da cerejeira, começa em todo Japão.

Ela é a flor nacional do país, está presente na cultura com forte e extensa simbologia. A partir do sul vai tomando as cidades, as pessoas; corre todo o território, e todo o imaginário daquele povo. Lá é primavera! Tempo de transformação, alegria, amor, felicidade. Os brotos da planta explodem em tons do vermelho ao branco, do rosa ao pêssego. Seu fruto é associado aos aspectos do erótico e do afrodisíaco.

O princípio feminino, a beleza, a sensualidade, a esperança. Acontece uma vez ao ano, e com duração restrita de uma semana.A qualquer instante serão espalhadas pelo vento. A transitoriedade da existência como lição.

No "entre" um brotar e um morrer está a celebração; o povo sai para os parques, cria os festivais de ver a flor ( hanami), ao ar livre! É breve como a vida. Escolhida como emblema no código dos samurais, por esse exato motivo.

Se a vida é passageira, valorizemos o presente, cada momento, o seguinte pode não acontecer... É um despertar, no meio da beleza, para a consciência da fugacidade. Essa nossa condição humana, precária, imperfeita e plena... Plena de estonteante beleza, que a vida, insisto, sempre oferece.

Acompanha rituais de casamento, a volta à escola, ocasiões festivas. Está inserida no gestual do teatro Kabuki. É amuleto de boa sorte e também de amor e afeição.

Volto mais uma vez à infância. Revisito o prazer com que minha mãe arranjava, em jarros de cristais ou murano, as cerejeiras em flor que comprava na feira livre do bairro. Eram frágeis, delicadas, tímidas, róseas, algumas cor de pêssego; traziam beleza, harmonia e um estilo suave, porém profundo, que combinava com nossa sala, e com a alma de minha mãe.

Cometo alguns haicais para o povo japonês, nesse período sakura zen-sen.

1 - Beleza sakura

É primavera no Japão

Corações contentes.


2- A Flor de cereja

brota, cai, desaparece.

Fugaz como a vida...


Saudemos a Primavera japonesa!Colha uma flor de cereja no seu coração.

Ouça uma canção de sakura na flauta.



Abraço

Maysa

domingo, 27 de março de 2011

MELODY GARDOT - All That I Need Is Love





Tudo que a gente precisa é amor!... E música.


Música! O ritmo?

Pode ser samba, maxixe, coco, baião, mesmo outros mais frenéticos, um roquinho básico não pode faltar, nunca!
Ou para quem ouve e sonha... Sincopadas canções, românticas baladas...Fados nostálgicos, provocantes!
Gosto das clássicas, mozart, bach, chopin, lizt e das que surgem na área pop. Gosto da melody gardot, compõe, canta, e ainda toca...bem
Letra aqui , com tradução e o vídeo, é só clicar!
Vamos ver e ouvir?








Tudo o que nosso mundo precisa é AMOR.
É preciso repetir: Não a todas as guerras.
Segundo abraço de Domingo
Maysa

O MAIS É NADA - FERNANDO PESSOA






O mais é nada - Fernando Pessoa


Navegue, descubra tesouros, mas não os tire do fundo do mar, o lugar deles é lá.
Admire a lua, sonhe com ela, mas não queira trazê-la para a terra.
Curta o sol, se deixe acariciar por ele, mas lembre-se que o seu calor é para todos.
Sonhe com as estrelas, apenas sonhe, elas só podem brilhar no céu.
Não tente deter o vento, ele precisa correr por toda parte, ele tem pressa de chegar sabe-se lá onde.
Não apare a chuva, ela quer cair e molhar muitos rostos, não pode molhar só o seu.
As lágrimas? Não as seque, elas precisam correr na minha, na sua, em todas as faces.
O sorriso! Esse você deve segurar, não deixe-o ir embora, agarre-o!
Quem você ama? Guarde dentro de um porta jóias, tranque, perca a chave!
Quem você ama é a maior jóia que você possui, a mais valiosa.
Não importa se a estação do ano muda, se o século vira e se o milênio é outro, se a idade aumenta;
conserve a vontade de viver, não se chega à parte alguma sem ela.
Abra todas as janelas que encontrar e as portas também.
Persiga um sonho, mas não deixe ele viver sozinho.
Alimente sua alma com amor, cure suas feridas com carinho.
Descubra-se todos os dias, deixe-se levar pelas vontades, mas não enlouqueça por elas.
Procure, sempre procure o fim de uma história, seja ela qual for.

Dê um sorriso para quem esqueceu como se faz isso.
Acelere seus pensamentos, mas não permita que eles te consumam.
Olhe para o lado, alguém precisa de você.
Abasteça seu coração de fé, não a perca nunca.
Mergulhe de cabeça nos seus desejos e satisfaça-os.
Agonize de dor por um amigo, só saia dessa agonia se conseguir tirá-lo também.
Procure os seus caminhos, mas não magoe ninguém nessa procura.
Arrependa-se, volte atrás, peça perdão!
Não se acostume com o que não o faz feliz, revolte-se quando julgar necessário.
Alague seu coração de esperanças, mas não deixe que ele se afogue nelas.
Se achar que precisa voltar, volte!
Se perceber que precisa seguir, siga!
Se estiver tudo errado, comece novamente.
Se estiver tudo certo, continue.
Se sentir saudades, mate-a.
Se perder um amor, não se perca!
Se achá-lo, segure-o!
“Circunda-te de rosas, ama, bebe e cala. O mais é nada”.

Fernando Pessoa

Por aqui deixo carinhoso abraço de Domingo
Maysa

sábado, 26 de março de 2011

POEMAS DE ANA MARTINS MARQUES - POESIA NO COTIDIANO





Alguns dos que passam por aqui n' O Ninho e a Tempestade sabem que sou leitora assídua do Caderno Prosa & Verso, aos sábados. O jornal - O Globo- circula em quase todas as capitais do país.

Essa manhã me delicio com o artigo do poeta Carlito Azevedo (1), os poemas de Ana Martins Marques (2), e as ilustrações de Alvim.

Desperto bem. O texto de apresentação - Paisagem, travessia e símbolo - flui, o poeta, crítico e editor não podia nos oferecer instigação maior que as reflexões provindas dos poemas de Ana, no livro "A vida submarina".

“Ana em verdade nos fala da impossibilidade do pleno florescimento de cada desejo genuíno, do "ainda não" da vida real, da queda em si das consciências desencantadas. Um olho para as noções cristalinas e outro para o barro do humano" (in, pag. 3 do Prosa & Verso-sábado, 26.03.2011).

Viajo no tempo e na poesia da vida. Bem jovem, já casada, fazendo mestrado na USP, em S.Paulo, prosseguia meu aprendizado, na Maison de France. Na apresentação entre os estudantes, nossa profª - ao saber meu estado civil - indaga se já tinha filhos. Minha resposta valeu-me um apelido inusitado: madame pas encore.

E é, justamente, com esse ainda não da vida real, que algumas vezes nos encontramos, é com ele que precisamos ajustar as contas do desejo e do fazer.

Ana nos diz:

"Não tenho muita rotina para escrever. Acho que a poesia é uma forma de atenção, um modo de olhar as coisas. Sempre levo um caderno e lápis na bolsa e vou anotando o que aparece: pode ser uma imagem, uma palavra, uma citação; com alguma sorte, um poema inteiro. O resto é trabalho de reescrita. Acho que a leitura e a escrita possibilitam uma relação diferente com a linguagem e também com o tempo, uma relação não pragmática, e abrem assim um espaço de liberdade que eu considero essencial."

Sugiro a leitura na íntegra da entrevista dada por Ana Martins Marques, ano passado ao Caderno Ilustríssima da Folha aqui.

Fiquem atentos com a poesia contemporânea, que brota em Minas, produzida por mulheres jovens escritoras... Compartilho com todos os seguidores deste blog, meu especial carinho para os d’além mar, a poesia de Ana:

ÍCARO

Somos os dois

Incompatíveis

como a cera

e o sol

e no entanto

parecemo-nos

como se parecem

o açúcar e o sal

devemos

porém

deixar

de insistir

pois se até

Ícaro

caiu

em si.

MÃOS

Uma trabalha mais que a outra.

Dividem o peso dos anéis.

Uma nunca aprendeu a escrever.

Com isso a outra tornou-se mais silenciosa,

mais firme, mais acostumada ao adeus.

Em alguns gestos entram as duas

numa mesma coreografia

como quando é necessário contar algo

mais que cinco.

Aceitam as manchas dos anos

como solteironas

que envelhecem juntas.

(1) Carlito Azevedo- Poeta carioca, primeiro livro Collapsus Linguae (1991), com o qual ganhou o prêmio Jabuti. Em 2001, reuniu seus poemas na antologia Sublunar (1991-2001). Monodrama (2009) é seu mais recente livro de poesia.

(2) Ana Martins Marques- Poeta mineira. Cito aqui poemas publicados no livro A vida submarina (Editora Scriptum, 2009).Mais Ana aqui .

Não esqueçam a poesia cotidiana que a vida sempre nos oferece.

Meu carinhoso abraço de sábado, o último deste outono, ainda em março.

Maysa

quinta-feira, 24 de março de 2011

SAIA DO MEU CAMINHO- CUSTÓDIO MESQUITA E EWALDO RUY

foto maysa/junquilhos domesticados/fev.2010

Quem ama agradece todo dia o amor por perto, que aquece, anima e também transforma!

Mas chega um dia... Tomar a decisão de não mais caminhar junto...É difícil, muito!

Quem sabe o piano do Tom inspira? A voz de Miúcha ajuda? Mais coragem?

Se quiser a gente repete na voz de Elizeth, Dalva ou Aracy! O bom é que Custódio Mesquita e Ewaldo Ruy criaram este belo samba canção. Dor de cotovelo? É assim foram chamados os sambas que tratavam o tema do desamor.

Anos mais tarde eram conhecidos por fossa! Se você cair na fossa... Dizem que é raro, hoje em dia, as pessoas só ficam, não arriscam um mergulho no tempo do amor ou da paixão, mas se você for diferente e se apaixonar, se der certo cante a alegria, cante.

Se der tudo errado cante da mesma maneira... Cantar faz bem a alma e ajuda a voltar para o mundo real cheio de contradição, incompletude e desenganos. O que seria de nós sem a música, sem as canções de amor com um belo ou um triste fim?

Aproveitem como eu, e cantarolem...

Se puderem sigam o ditado: Quem canta seus males espanta! Não vale desafinar... Só beijar na boca! Que é um dos melhores presentes da vida.

Com meu carinhoso abraço

Maysa






domingo, 20 de março de 2011

CURARE - BORORÓ - JOÃO GILBERTO






Essa música eu amo! Amo. É como sentir a força e o que vale o amor, quando entra bem definitivo, em nossos corações.

Bororó, seu autor fez também Da Cor do Pecado, outra canção maravilhosa.

CURARE é veneno! Aprendemos primeiro seu poder letal em flechas certeiras... Nos bancos escolares. CURARE a música só muito depois aprendi. Continua veneno, como amor invade as veias conduz ao êxtase ou a morte.

A beleza feminina, apreciada na poesia, era desenhada pela própria natureza!

Tão distante de muita boniteza, em nossos dias, onde uma plástica perfeita é indicada pela computação gráfica e bisturis comandados por azes, quem produz.

Fazer do amor confusão, uma misturação... Bem banzeira inzoneira

Que tem raça e tradição...


...
Faz do amor confusão
Numa misturação
bem banzeira, inzoneira,
que tem raça e tradição

Mais adiante:

Quebra machuca minha dor
Nega, neguinha, tudo, tudinho
Meu amorzinho
com essa boquinha vermelhinha
rasgadinha tem veneno como quê

Conta tristeza e alegria pro seu bem
Que tudo vive a dizer
Que você é diferente
Dessa gente que finge querer

Aqui a letra na íntegra.



Conselho para moças românticas:

As que amam cuidem de aprender a letra. Só não vale é esperar que São João Gilberto venha cantar em seu ouvido, afinadíssimo, como sempre.
É melhor confiar no vídeo para vê-lo. Vamos ao encontro da doçura de João e de Bororó!
Abraços
Maysa

sábado, 19 de março de 2011

AFRICA ETERNA - RUI DE OLIVEIRA












Transcrevo o convite recebido para o lançamento de mais um livro ilustrado por RUI de Oliveira. Adoro o trabalho de Rui e ele, inspirado artista, professor dedicado e conhecido por sua extensa e importante obra.
Não poderei estar lá mas peço que me representem! viu Liberati?
Aos amigos que amam a arte de ilustrar repasso o convite. Aproveitem e se aproximem desse artista generoso e excelente mestre. Daria tudo para assistir a mini-palestra.
Visitem o blog e o site de Rui.

Abraços Maysa

sexta-feira, 18 de março de 2011

CECÍLIA COIMBRA






CECÍLIA COIMBRA

Uma senhora mulher! Nossa querida companheira de lutas e alegrias!

Se completar 70tinha é poder chegar com garra e alegria inusitadas, comemorar com saúde e muitos amigos a data, isso é para poucas! Cecília chegou lá, ou melhor, no aqui e agora! O melhor lugar do mundo.

Entre as inúmeras conquistas que, nós mulheres alcançamos, uma delas tem sido ultrapassar ditames do mundo capitalista e, ainda, machista sobre o que é ser mulher! Nossa geração, a do final dos anos sessenta, conquistou vários direitos virando pelo avesso conceitos e preconceitos. Aprendemos cedo que não se nasce mulher...

Ser saudável e saborear momentos felizes na maturidade são conquistas. Continuar a influir participando, crítica e de forma coerente, nos processos políticos e sociais, também. Tivemos nossa juventude, que foi posta à prova nos quesitos coragem, amor, persistência, ideologia. Tivemos a impressão que em determinado instante mudaríamos o mundo – para melhor. Priorizando a justiça social, a liberdade democrática, a união entre os povos, as novas expressões do amor, de preferência livre!

Hoje temos nossas histórias de vida - que nem sempre são conhecidas pelos que estão próximos de nós - para lembrar, contar, encontrar. A produção do esquecimento, feita pelo processo de anistia possível e incompleto, deixou de fora muita história de jovens brasileiros que doaram a vida pelo ideal.

Cecília comemora aniversário, e nós, seus amigos, recebemos o presente!

Quarta-feira, dia 16, num restaurante no bairro da Lapa... Das 18hs até a meia-noite, para não se correr o risco da carruagem virar abóbora.

Reencontros, lembranças quase soterradas floresciam entre uma taça de vinho ou um copo de cerveja gelada! Amigos que não se viam por dezenas de anos... Entregues aos abraços e beijos amorosos! Muita música para ilustrar a efervescente companhia. A melhor trilha sonora de nossas alegrias, tristezas e perdas. Depusemos evocações e lembranças nos lugares... De honra. As redescobertas intactas nos preciosos instantes... De celebração.

Cecília aniversaria. Em sua festa as imagens de jovens substituídas pela presença de companheiras (os) amadurecidas (os) pelas perdas, e temperadas (os) com a sempre renovada esperança. Um brinde à Vida!

Não mais sofremos com as mudanças de projetos, mas, sobretudo, celebramos a insistente teimosia de ver um mundo melhor! Há que compartilhá-lo, também, com filhos e netos!

Um mundo melhor conseguimos construir juntos: O da solidariedade, o da luta organizada em prol de um ideal, o do companheirismo que se quer alegre!

FELIZ ANIVERSÁRIO CECÍLIA:

VIVER E NÃO TER A VERGONHA DE SER FELIZ/ CANTAR E CANTAR E CANTAR/ A ALEGRIA DE SER UM ETERNO APRENDIZ! ...Dos versos de Gonzaguinha.


N.A. Cecília Coimbra : Psicóloga, Professora aposentada da Universidade Federal Fluminense (UFF), Presidente e Fundadora do GTNM/RJ, Conselheira do Conselho Regional de Psicologia – 05 (CRP/RJ).


MAYSA MACHADO

Santa Teresa, 18 de março de 2011

terça-feira, 15 de março de 2011

CLEMENTINA - CLARA - DONA IVONE -

Bons sons ...Bons sonhos!

Tenho sonhado muito... Com poesia!
Sem ela não vivo, e sinto-a, está em toda parte para acordar nossa sensibilidade. Um timbre de voz, uma frase, até mesmo muito silêncio...Tem poesia . Ritmo perfeito para nos permitir embarcar em sonhos bons e bons sons.
Batendo palma, na cadência , ouvindo as Senhoras do Samba.

"Não vadeia Clementina! Fui feita prá vadiar!" Se alguém conhecer momento melhor de uma senhora cantora , por gentileza, me lembre!
A sonoridade de Clara , voz - instrumento cristalino! O casamento perfeito com o bronze vocal de Clementina.




"Sonho meu! vai buscar quem mora longe!...


"Sinto o canto da noite na boca do vento"

No meu céu a estrela guia ainda não se perdeu!
Dona Ivone tão maviosa quanto excelente compositora, é também um mimo de pessoa! Délcio Carvalho, o melhor letrista e parceiro inspirado.
Saboreem o momento precioso...Raro de duas incríveis mulheres, artistas que o samba revelou.
Para quem curte letras encontre-as aqui.

Tenho fotos históricas com o pessoal do samba. Recente encontrei algumas com Dona Ivone, com Jair do Cavaco, Nelson Sargento, Paulinho da Viola, Tania Machado, Anescar do Salgueiro, Eliane Faria, Guilherme de Brito...Só preciso organizar o acervo pessoal. Um dia quem sabe trago para o Ninho.



Beijos e muita cadência na vida é o que o samba ensina!
Maysa

segunda-feira, 14 de março de 2011

CHARLES AZNAVOUR - FOR ME... FORMIDABLE.



Já que lembrei de mim, em Vinicius, por sua poesia inspirada, sua bossa...Pelo amor transbordante... Não posso deixar de lado minha paixão, que perdura adolescente, pelo Aznavour.
Num Rio tão tropical esse armênio, beleza nada convencional , mas charme único, despertou com sua arte, a atenção de uma jovenzinha tímida. Se a imaginação nunca me faltou, o gosto musical, também, ainda há de me acompanhar. Curtam essa maliciosa lamúria de amor! É pena que está no masculino, pois nós mulheres sentimos essa mesma forte emoção, algumas poucas e boas vezes, na vida!
Quanta provocação tentar em dois idiomas o que um não dá conta! E como certas expressões ficam definitivas numa e noutra língua.
You are the one! Só pode mesmo ser dita em inglês!
E quer decisão mais fulgurante que um homem possa tomar como essa... Tu n'a pas compris/ tant pis/ Ne t'en fait pas/ Et viens t'en des mes bras.
Só apelando para a risada da Elis... Rsrsrs

Para quem curte as letras basta clicar aqui
Abraços Viva o Dia da Poesia
Maysa

PERSCRUTANDO O AMOR

foto maysa/por do sol ipanema/ março 2011







PERSCRUTANDO O AMOR

Maysa Machado


Todo amor é mistério.

Se pode adoecer...

Há quem experimente

Renascimento.

Amor maltratado dá

Trabalho, arrependimento

Para uma vida inteira.

Vira remorso

Se às costas lhe oferecemos.

Um vir a ser constante se

Dispomos de coragem, alegria

E assim, o recebemos.

Amor não tem fórmula precisa

Nem forma exata...

É variado, desconforme.

É para quem tem

Fé, tesão, desapego.

Para amar primeiro

É preciso se amar...

Convém que seja por inteiro.

Depois... Aprende-se

A conjugar o verbo

Em todos os tempos

E modos.

Há que decorar

O imperfeito e o mais que perfeito.

Por vezes será preciso repetir baixinho

Eu amo. Amei. Amarei.

E se alguma dúvida surgir

Não ter medo nem de se perguntar:

Eu sou capaz de amar?


Santa Teresa, 14 de março de 2011

Que a semana seja plena de paz e inspiração para todos. Hoje é o dia nacional da Poesia, então

com carinho um pouco de Mário Quintana.

BILHETE

Se tu me amas, ama-me baixinho
Não o grites de cima dos telhados
Deixa em paz os passarinhos
Deixa em paz a mim!
Se me queres,
enfim,
tem de ser bem devagarinho, Amada,
que a vida é breve, e o amor mais breve ainda...


Maysa

sexta-feira, 11 de março de 2011

MEDO DE AMAR III - VINICIUS DE MORAES






MEDO DE AMAR



Vire essa folha do livro e se esqueça de mim
Finja que o amor acabou e se esqueça de mim
Você não compreendeu que o ciúme é um mal de raiz
E que ter medo de amar não faz ninguém feliz

Agora vá sua vida como você quer
Porém, não se surpreenda se uma outra mulher
Nascer de mim, como do deserto uma flor
E compreender que o ciúme é o perfume do amor


DEIXA



Deixa
Fale quem quiser falar, meu bem
Deixa
Deixa o coração falar também
Porque ele tem razão demais
Quando se queixa
Então a gente
Deixa, deixa, deixa, deixa

Ninguém vive mais do que uma vez
Deixa
Diz que sim pra não dizer talvez
Deixa
A paixão também existe
Deixa
Não me deixes ficar triste

Mergulhada em lembranças caprichosas faço parada obrigatória em Vinicius de Moraes, o poeta, o doce poetinha da juventude e primeiros sonhos de muitos adolescentes, em algumas gerações, a começar pela minha.

Generoso com a vida, com os amigos, e com as mulheres - o poeta só amor - deixou para sempre, e para quem quiser aprender a amar, lições autênticas, especiais... Quem não tiver medo deve trilhar esse caminho... Em direção ao mar, permeado de espumas, vagas, solidão... Por toda a sua vida.

Sigam os rastros de Vinicius aqui.

Com ele aprendi a amar e ser só perdão! Não deu sempre certo nas oportunidades e circunstâncias em que o amor me apareceu. Mal nunca me fez, nem fará.

Fiquei mais humana, sensível, e conheço a boa solidão. Deixando claro que as tentativas amorosas são como muitas das viagens que pretendemos e sonhamos fazer... Os preparativos excedem a realidade. A excitação nos toma quando iniciamos uma relação amorosa, expectativas são impossíveis de deixarem de ser construídas. Bem melhor, quem sabe, é tentar um poema!

Agora, neste mundo onde o amor se liquefaz, evapora, e não aparece mais com intensidade e freqüência, em nossos dias, cabe a pergunta: Será que não se fazem mais poetas como antigamente? Rsrsrs.

Ou a pergunta será: Não se fazem mais amantes como os do tempo do Vinícius? As matrizes foram quebradas?

A cantora, Mariana de Moraes, destaca algumas de suas músicas preferidas nas que o avô compôs. Delas três coincidem com minha preferência: Medo de Amar, Deixa e Estrada Branca.

Dica do vídeo com Chico cantando e tocando Medo de Amar, postado aqui no Ninho em fevereiro de 2009.

Dica da letra de Estrada Branca lá no site, na Antologia de Mariana.

Só posso acrescentar que minhas ilusões foram todas acalentadas com boa música, e vozes divinas como a de Elizeth Cardoso, sua interpretação dessa música vive em meu coração.

E para provocar aos que por aqui passam, fica a lição:

“... E a coisa mais divina que há no mundo é viver cada segundo como nunca mais”... (Tomara, com Vinicius e Maria Creuza).

Um abraço carinhoso nesta sexta-feira nublada, aqui no Rio.

Maysa




quarta-feira, 9 de março de 2011

MARIA ESTHER MACIEL - POETA




Encantadíssima com o poema Aula de Desenho, procurei sobre a autora. Encontrei na Poesia. Net 97 , aqui . Um registro cuidadoso e preciso sobre Maria Esther Maciel, e sua obra.

Também pode visitar o site da autora:





AULA DE DESENHO


Estou lá onde me invento e me faço:
De giz é meu traço. De aço, o papel.
Esboço uma face a régua e compasso:
É falsa. Desfaço o que fiz.
Retraço o retrato. Evoco o abstrato
Faço da sombra minha raiz.
Farta de mim, afasto-me
e constato: na arte ou na vida,
em carne, osso, lápis ou giz
onde estou não é sempre
e o que sou é por um triz.




OFÍCIO

Escrever
a água
da palavra mar
o vôo
da palavra ave
o rio
da palavra margem
o olho
da palavra imagem
o oco
da palavra nada.


ONDE O POEMA

Entre o nervo e o osso
Entre o eco e o oco
Entre o mais e o pouco
Entre a sombra e o corpo
Entre a voz e o sopro
Entre o mesmo e o outro

-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.

Agora para lembrar que é Quarta-feira de Cinzas, confesso:

A vida segue com seus mormaços
...E imprevistos
Tempestades não abalam
Incertos ninhos...
Construídos no precioso
Mais que preciso
Sumo do amor.

Abraço
Maysa