segunda-feira, 27 de junho de 2011

O GOSTO DA SEGUNDA - FEIRA CINZENTA - MAYSA MACHADO







O GOSTO DA SEGUNDA - FEIRA CINZENTA

Maysa Machado

O gostoso barulho da chuva miúda, para mim é um cântico. Assim, adormeci com seu ritmo constante. Não sem antes rir, solitária, pressentindo a segunda- feira cinzenta, fria e úmida. Talvez, ao vestir-se o tempo nos dias que correm, com tantas características climáticas, obrigue-nos a aceitar que as mudanças estão por toda parte. Sobretudo, dentro de nós.

Reconcilio-me, então, com os dias chuvosos, nublados, pois até eles trazem uma beleza distante, que nos mostra a importância de viver. Se ficarmos mais nostálgicos, nada nos impedirá de exibirmos uma capacidade reflexiva considerável. Reaprendemos a ser.

Há o que detestar e sempre haverá: Caminhar na chuva é bom no cinema, não nas ruas do Rio. Mas esticar a preguiça e levantar mais tarde em manhãs cinzentas é prá lá de ótimo! Tomar chocolate quente, numa xícara bonita e fumegante! Vestir um casaco e ir ver o mar... Não só é divino, como a parte melhor que há na solidão.

Então, o ir e vir constante, mesmo na falta de movimento aparente, muda nosso olhar sobre o tempo. O tempo que passa espremido entre os ponteiros do relógio é o que nos ultrapassa nas tarefas deixadas de realizar, no espaço de um dia.

O tempo vivido, lembrado, passado recriado, reciclado, por chegar! É desse tempo interno, que se ainda nos mostra juventude de sentir, nos traz a eternidade de presente, em cada minuto.

Pode chover e ficar cinza, lá fora. Você se colore de amarelo, vermelho, verde, azul, rosa pink, turquesa, prata, ouro... lilás,laranja.

Santa Teresa, 27 de junho de 2011.

Um comentário:

Monja de Clausura Orden de Predicadores disse...

Hola, pásate a recoger mi premio con motivo de mi cumpleaños.
Te dejo mi ternura.
Sor.Cecilia