quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

IEMANJÁ - RAINHA DO MAR







Esta manhã caminhando por rua do Centro do Rio, próxima ao Passeio Público, ouvi cânticos e os sons de atabaques.

Surpresa não atinei logo. Coincidiu com o bater dos sinos da velha Igreja de NSª do Carmo, da Lapa.

A data e sua festividade têm manifestação recente em ruas de nossa cidade. A maior expressão do culto à Rainha do Mar se dá, como todos sabem, na despedida do Ano. Os adeptos do candomblé e todos que admiram a beleza comparecem.

O frenesi, o entre e sai em todas as praias, quando as oferendas são entregues é mesclado com a devoção respeitosa e doce que IEMANJÁ desperta.

Tentei uma espécie de reciclagem mental... Matinal.

Teria eu me transportado para Salvador? A imagem desfilava em carro aberto, feito os dos trios elétricos! Um pequeno cortejo de pessoas vestidas de branco acompanhava e cantava, oferecia flores.

A última badalada do sino me situou, auxiliada pelo relógio digital que informava em exatos minutos e segundo: 11 horas.

O Rio ainda é bucólico! Por átimos, mas é...

A singela manifestação cativou meu coração distraído, porém atento aos momentos em que o uso do espaço urbano é exercido, com descontrole, muitas vezes recebendo o apoio das autoridades.

O cortejo seguia bem diferente sim, pois não costuma assolar quarteirões, não trazem ônibus fretados nem milhares de pessoas acorrendo aos locais aprazados. Há uma suavidade em sua constituição. IEMANJÁ - A MÃE DOS ORIXÁS - É DOCE E SERENA.

Nada contra religiões em suas diversidades e representações aqui na terra. Os macro-cultos orquestrados por homens, poderosos formadores de opinião pública, bem poderiam ser tocados por esta singeleza que me tocou!

O planeta e os viventes nas grandes cidades nas horas de oração precisam de muito pouco, quase nada. Além do silêncio que é uma forma de oração...
Flores, cânticos, ritmos e alegria de estar vivo nesse mundo, apesar dos homens gananciosos que nela habitam.

Ah! Um pequeno detalhe que poderá ajudar a exaltar o ambiente de momentâneo júbilo:

Buzinas são os sinais da impaciência das grandes cidades! Ouçam os sinos.Não as usem. Guardem-nas na próxima homenagem à IEMANJÁ.

Ela é a Rainha do Mar passeando em seu dia de Festa!



Um carinhoso abraço a todos

Maysa

5 comentários:

Cristina Welle disse...

Dia dois de fevereiro, dia de festa no mar, eu quero ser o primeiro a saudar Iemanjá (Dorival Caymmi)...apesar de morar longe do mar parei uns instantes para uma oração, e agradecimento à ela que está sempre de braços abertos para nos aconchegar!!!
Abçs, Cris

Maysa disse...

Cris

Precisavas ver a singeleza da procissão!
O trio elétrico não estava ativo os atabaques sim!

O Rio , repito, ainda é bucólico!
bem, moro num bairro assim e tão próximo ao centro do Rio!
Abcs
Maysa

Graça Carpes disse...

Fui convidada a um dos ritos... Participei,fotografei, me abençoei...
Salve a Rainha do Mar!
Bjs
)

Maysa disse...

Olá Graça

Saudade! aguardo resposta para emails rsrsrs

Vc deve ter ido ao rito na Praia do Arpoador, hein?

Beijo
Maysa

Anônimo disse...

acho lindo mais e um absurdo e falta de Respeito colocarem Iemanja branca nas imagens Iemanja e negra.