terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Do Amor - Lao-tse, Tao Te King


"Aquele que preza o amor se relaciona sem segundas intenções."


Tento, com perseverança, organizar livros, papéis, documentos, textos próprios. Selecioná-los jogar fora, doar. ah! quem não os têm ? Bom, é um inventário pesado e algumas vezes divertido.
Redescobri um livro, cujo prefácio começa, com a frase acima, sobre o amor. O curioso, é que o comprei para presentear um filho, tem até dedicatória. Ficou por aqui e juro, não por acaso. O tema é bem estimulante.
Outro motivo para destacá-lo é ter umas amigas apaixonadas, vivendo com entusiasmo as descobertas do encontro.
Mulher, em qualquer idade, assim pensam os homens comuns, está sempre se produzindo para a sedução. Eles não estão totalmente equivocados ! Não raro, nós mulheres declaramos nossa insatisfação pessoal. Mais ou menos assim: estou acima do peso, meu armário não tem nada que valorize minha silhueta, ah! Exatamente, por isso trago a reflexão do autor e indago para cada um que estiver lendo : Como você trabalha em favor do amor? Vamos ao pequeno trecho selecionado, e o local da resposta você já sabe! clica em comentários e...vai fazer uma blogueira iniciante feliz!

"A experiência mais profunda dos amantes é sua relação psíquica. É assim que entendo a frase de Lao-tse. Atualmente, essa experiência está muito ameaçada. Nossa falta de liberdade interna e externa - que o hábito tornou quase inconsciente - impede o amor, que é filho da liberdade. Na sociedade atual, esse amor não acontece por si só. Precisamos primeiro criar condições internas e externas adequadas. Isso exige "trabalho em favor do amor". Ele surge do abandono da expectativa infantil de que a felicidade nos chegue por acaso. Com este livro pretendo provocar não apenas a reflexão, mas também a ação.Quando compreenderemos que esse "trabalho do amor"é tão necessário quanto o trabalho do luto, quanto o trabalho profissional? "
in, O amor é filho da liberdade, Michael Lukas Moeller, Editora Martins Fontes, 1ª ed. brasileira ,1991


Concordo, integralmente, com a afirmação inicial : a experiência mais profunda dos amantes é sua relação psíquica.
Daí, que olhar com coragem o outro , com suas características agradáveis ou não, é uma forma ,por vezes, incômoda de se olhar também.

Beijos de terça

Maysa


Reprodução de pintura de Diego Rivera - nú com copos de leite.




Um comentário:

Ana P. disse...

Como eu trabalho a favor do amor? Tentando me amar, em primeiro lugar. Mas às vezes é difícil, amiga ...