sábado, 28 de fevereiro de 2009

Turbulência - Guimarães Rosa









Segui os passos do "Catando Poesias" , mais a insinuação da brisa vespertina convidando, de fora da janela-moldura, onde velhas e centenárias palmeiras volteiam ... encontrei um Guimarães Rosa, dos primeiros, do livro Magma. Num registro bem lembrado, no blog ANAcoluto e cronismos!


Turbulência


O vento experimenta

o que irá fazer

com sua liberdade...



&&&&&&&


É um aviso? premonição? Um hai - kai ? Trouxe-o para "O ninho..." por medida preventiva e carinhosa. Coisa de carioca, em sábado de desfile das campeãs. Eu sou Mangueira, mas ...Viva o Salgueiro! Já deu tantas alegrias prá nossa ingênua alma carioca. Ai, que saudade me dá do Anescarzinho. Querido, tão querido!

Será que aprendemos a lição de mestre Rosa ?
Até o vento experimenta!!!!

Liberdade é coisa prá profissional, conquista densa e delicada, senão vira turbulência ?! voz da sabedoria amorosa . Escolho, íntimamente, por liberdade e muitas vezes encontro-me, ou desencontro-me, em zonas de turbulência.

Estou proseando com vocês e com os escritos de um tipo fabuloso, tão! tão! que copiei o dia prá vir ao mundo, (27.06) em que êle mesmo veio.


Sábado à noite em profunda e serena liberdade


Bjs Maysa

Um comentário:

Ana P. disse...

A liberdade de Rosa é sempre um presente. Obrigada pela generosidade!