quinta-feira, 28 de maio de 2009

ANTES QUE ESTE MAIO ACABE






Receita de Maios



Andei aqui, espalhando lembranças de alguns maios de minha vida... Este, de 2009 está indo embora. Que se vá com alegria, promessas de novos encontros e descobertas pelo ano afora.

Maio das flores, das noivas, das mães, de 68, já foram nossos comentários. Deixei as impressões do atual maio para conversar agora .

Desejos misturados às lembranças...dentro de mim.

Garotas, ainda, queremos crescer rápido e ficar mocinhas. O nosso espelho é
nossa mãe. Seus vestidos, sapatos, jóias - nos tempos de hoje, bijuterias - nos atraem e a imitação é inevitável. Em primeiro lugar, desejamos ser nossas mães.

Em pequenas, lhes devotamos admiração integral.Crescemos, as mães envelhecem, algumas partem cedo e de modo definitivo, por abandono ou morte. Deixamo-nos lá atrás, apenas, como recordações de infância.

Aproveito o mes, diante de recentes acontecimentos, para arrumar minhas gavetas. De diferentes conteúdos e tamanhos, uns volumosos outros magrinhos... mas no
mesmo armário, fui reorganizando tudo, meus papéis e seus significados.

Comecei ,com muito cuidado, pelo primeiro que tive em minha vida e já não
mais existe de fato, só de alguns direitos e lembranças...Filha.

Os outros foram vindo, e de forma suave, atenta, como quem embrulha ou desfaz os
embrulhos das louças, na mudança, revisitei-os... sem espanto e com saudade.

O de neta coloquei-o na gaveta ao lado do de filha; pensei em juntar, nesta mesma gaveta, o de sobrinha; tais as semelhanças e alegrias. Mas, desisti. Eram apenas parecidas e bem juntinhas estavam aguardando um lugar mais amplo e merecido.

Então resolvi: Daqui prá frente, coisa boa fica guardada num espaço de destaque, abri a terceira gaveta sobrinha e, coloquei todos os guardados de tias, afinal foram quatro e três moravam distante.

Quando aqui cheguei herdei: Pai e mãe, tia-avó e avó materna, um avô emprestado, e uma tia. Todos, no Rio. Duas tias e um tio, em Recife, com seus maridos , mulher e filhos - duas primas e um primo. Não nasci sozinha!

Fui, tentando entender a arrumação. Até considerar como cada papel chegou, uns num tempo diferente de outros, muitas vezes em distintos lugares. Alguns juntos, mesma cidade, espaços próximos, mas interesses variados.

Por exemplo, o de irmã foi fácil organizar... meu único irmão, chegou dois anos e sete meses depois ... Organizo, todo dia, essa gaveta inusitada e, todo dia, aparece desarrumada ! Desconfiem do singular quando forem arrumar papéis em gavetas.

A gaveta de prima estava uma bagunça total, levei muito tempo para me situar.
Prima que nasceu antes de você agora é, dez anos, mais nova! Gaveta que coloca tempos e lugares bem misturados. Perde até lembranças! É uma surpresa atrás da outra. Quase um local de achados e perdidos.

Ah, finalmente, etapa concluída. Nada havia quebrado, saldo positivo na mudança inventada. Lugares e tempos arrumados, lembranças revisitadas.

Mas vocês , não queiram imaginar a trabalheira que dá, só de pensar,
nas gavetas que, ainda, tenho para abrir espaço e arrumar.
Será preciso muita paciência, calma e ajuda. Sabedoria para não continuar a embaralhar papéis.

Esposa, mulher, companheira, mãe, nora, cunhada, tia, sogra,avó, profissional, amiga. Prá não falar do país e época em que nasci ! Ufa! São muitos!

Para alguns já é necessário abrir gaveta: papéis arquivados.

E, como a realidade embaraça a gente, não custa nada sonhar um pouquinho com
uma pequena e mimosa gaveta com a etiqueta: Bisavó.

Oh! Maio por que te escolhi um mes diferente?

Bjs

Maysa

PS: O texto dedico, com carinho e amor, às minhas três netas e neto.



2 comentários:

Ana P. disse...

Eu estou rindo das suas gavetas ... e tentando organizar as minhas. Adorei dos textos de maio. Lindo, sinceros e acolhedores. E que bom que nos fizeram refletir.
Beijo!!!

Maysa disse...

Olá Ana,

Já pensou no que ainda tenho( felizmente) para arrumar!
Umas ideias "loucas" tomam conta da gente quando o assunto é afeto!
bjs
maysa