sexta-feira, 22 de maio de 2009

OLHAI COMO O TEMPO PASSA




A vida , numa cidade como o Rio de Janeiro, é corrida. No seu dia-a-dia, o contato humano muitas vezes, se dá quando v. esbarra nos desconhecidos, igualmente, empilhados nos vários transportes de massa.


Moro num bairro tranquilo do Rio, Santa Teresa, aqui, ao invés de multidão , nos penduramos num sobe e desce entre as ladeiras, ruelas e travessas, muitas com calçamento da época do império. Se o bonde não faz o seu caminho, você pode vislumbrá-lo, com o encanto de criança, serpenteando, barulhento pelos trilhos.
Não, não é uma volta ao passado, aqui,você entra em acordo, ou não, com o tempo. Um outro tempo.
Tempo interior, mais que cronológico. Os apelos do entorno, quase sempre, não são invasivos, apenas, sugeridos, percebidos, usufruidos.
Sim, você pode escolher, entre viver, lá embaixo, a disputa pelo centímetro de calçada, as supresas constantes e desagradáveis,com os ruídos em decibéis acima do permitido. A multidão apressada e com frequência deseducada...problemas decorrentes do tipo de urbanização ,diz o meu lado de socióloga, mas, o meu melhor argumento para morar aqui, é o prazer com que renovo minha vida todos os dias.
Tenho tempo, para me encantar com as flores singelas, algumas hoje - raras na cidade grande- surgem no jardim do meu minúsculo quintal. Brindo suas presenças como quem prova a qualidade de um vinho, com apelação respeitada.
Meus olhos e ouvidos percorrem paisagens e sons bucólicos. Bons para o apaziguamento e elevação da alma.
Viver aqui precisa de um ritual diário entre a sensibilidade e a paisagem, o clima, as pessoas.
Por isso, contrapondo-se à precária presença e baixa conservação pelo poder público no bairro, mais que um acaso, viver por aqui, é uma escolha.
Tem em seus aspectos difíceis: o acesso, por transportes coletivos, não coberto em muitos trechos; ruas com iluminação precária ou inexistente, escadas imensas sem manutenção, apoios ou corrimãos.
É ,uma forma de vida arrastada e saboreada ,por seus moradores, anos a fio.
Amo o meu bairro. Paixão de criança, de quando visitei, com mãe e avó, uma prima vinda do Maranhão.
Voltando para nossa casa, em Botafogo, à tardinha, dentro do bondinho, vi a bela Baía de Guanabara, soberana, do alto do morro, alí bem perto , no Largo dos Guimarães, onde termina a rua Cândido Mendes.


Bjs
Maysa

4 comentários:

Ana P. disse...

Lindo texto de amor ao bairro ... nosso lar é onde nosso coração está, como dizem, querida.
Beijo de vizinha

Luciana Conti disse...

Oi Maysa,
Adoro Santa Teresa, mas não moro aí. Mas, como você criança, todas as vezes que vou a Santa desfruto com prazer cada momento neste bairro tão especial. Que a gente um dia se esbarre pelo Largo dos Guimarães. Bjs
Luciana COnti
PS: Vc viu seu comentário no Gato de Sofá Deita e Rola na Flist?

Maysa disse...

Ana,
o curioso para quem como nós expõe idéias e emoções caras,em blog, desenvolvendo-as, sobretudo, para um leitor imaginário, é nos apanharmos, depois de uma postagem, criticando-a. Parece relação com filho.Esta, daí, me pegou pelo avesso: o título é no vós e o texto no você ! Foi assim parida, respeito minha prole. Quase encuco , mas sou carioca de Botafogo...
Bjs
Maysa

Maysa disse...

Alô Luciana !

tenho muito prazer em ler sua resposta.
O GATO NO SOFÁ além de ficar, em lugar destacado, nos meus blogs preferidos é fonte de consulta por seus "achados e comentários".
Até novos encontros.
Abcs
Maysa