segunda-feira, 20 de abril de 2009

Beatriz Bandeira - poetisa, militante política, uma brasileira centenária


copyright Alicia Paulson




Uma centenária mulher... estive com ela , hoje. Foi bom.

Conversamos, rimos e recordamos... bem, somos próximas há mais de quarenta anos. Entre nós, existem muitas pessoas queridas e já ... há quatro gerações.
Sua avançada idade, não lhe tirou o viço, a bela voz, o brilho do cabelo liso, antes escorrido emoldurando o rosto anguloso, hoje, preso numa trança branquinha e fina...em direção à nuca. Mas seu rosto, quase sempre rosado, estava pálido e sem tônus. No entanto, é incrível a ausência de rugas, deve ser a ascendência índia.
Foi uma bela mulher e continua. É uma bela anciã.
Está cega.
Ela mesma, assim decidiu, ao tempo de escolher se operava ou não uma catarata:
"Melhor não mexer com quem está quieta!" dizia, sorrateira.

Não se queixa de nada.

Quieta, movimentos suaves sobre a cama e sob as cobertas. Um passarinho aninhado, com o sol de mais um outono entrando pela janela do quarto.

E, meu começo de conversa:
-Lembra dos dias de outono, aqui, no Rio? Do tom do azul, do céu sem nuvens, a temperatura gostosa? Vai chover mais tarde, está vindo uma frente fria!

Costumo chegar, como boa filha de Iansã, trazendo "novidades", histórias de nossas crianças, falando e cantando pois, nós duas, gostamos muito de música e de melodias folclóricas.
Ah! como é bom vê-la feliz, receptiva, cheia de vida com o amoroso contato humano, que - em nós - se estabelece.
Hoje, temos uma cumplicidade, construída através das contradições e teimosias que encarnamos nessas quatro décadas.
Mais que tudo, temos um sereno afeto. Nos fazemos bem! Surpreendo-me com suas observações sobre o que nossas conversas acendem.

Tenho alguns amigos, que foram seus alunos no Conservatorio Brasileiro de Teatro. Nomeio-os, digo-lhe o quanto gostam dela e a admiram, e sempre manifestam seu imenso carinho.
Sua resposta pronta, feliz, exultante mesmo:
"Lembro bem do nome de cada um deles que você está citando! Joel, Hilário, Moisés..."
"Como é bom ser querida por meus alunos!" E, logo depois :
" Esse é um presente valioso que você , me trouxe!" e usando uma expressão tão antiga, mas não em desuso:
"Ganhei o dia!"


Valiosa é a vida. É a condição humana elevada ao melhor ponto que se pode elevar! Viver muito, ser longevo... sem uma história de vida digna atrás?

A senectude é por si uma prova de coragem mais que resistência.

Uma vez, lhe pedi a receita da tal longevidade.
Ela respondeu :
"Ter um projeto pessoal de mudança social , não ficar preocupada em torno do próprio umbigo!"
Hoje, repeti o ensinamento, ao que ela retrucou imediatamente:
"Eu disse isso? quanta sabedoria..." e sorrimos juntas !


Essas lembranças são para todos os dedicados alunos que, com o reconhecimento do aprendizado, fazem seus mestres felizes!

Em especial : Joel, Hilário, Moisés, Eva, todos lembrados... pela velha mestra


Obs: Se quiser apreciar a bela série de fotos, de Alícia Paulson - narcisos silvestres -clique no link


Um beijo

Maysa






2 comentários:

Ana P. disse...

Eu tenho que passar um dia inteiro aqui, curtindo seu blog e aprendendo com seus textos. Tenho muita curiosidade em conhecer Beatriz Bandeira. E acho sinceramente que estas conversas deveriam ser gravadas!!!
Beijos de sábado.

Maysa disse...

Cara Ana

As boas idéias nem sempre podem ser aproveitadas! Mas penso em fazê-lo e acabo desistindo...
Um abraço carinhoso